As aulas estão de volta! Veja os desafios para as áreas de TI das escolas 4.0

Imagem: FreePik

Por Yuri Amorim, Marketing, DataSafer

Desde lousas inteligentes, iPads, plataformas de E-learning, as escolas do ensino fundamental ao ensino médio desenvolvem maneiras novas e empolgantes de inserir o uso da tecnologia na sala de aula. Não raro, as escolas de referência complementam o currículo escolar com aulas de Informática para crianças, além de cursos de robótica, lógica e programação. A educação 4.0, também conhecida como revolução digital, coloca alunos e professores em rede, com um aprendizado contínuo, dentro e fora da sala de aula.

De fato, na “Pesquisa sobre o uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas escolas brasileiras – TIC Educação 2018” [1] realizada pelo NIC.BR, 98% das escolas localizadas em áreas urbanas possuem ao menos um computador com acesso à Internet para apoiar tanto nos processos administrativos, como nos pedagógicos para os alunos ou para a formação do professor.

O uso da tecnologia na educação somente tende a aumentar, com os professores se capacitando mais para utilizar computadores e a Internet para aprimorar seus conhecimentos sobre a integração de tecnologias aos processos de ensino.

Os processos administrativos de gestão escolar tornam-se também mais eficientes, com sistemas de ERPs customizados para a área de educação. A comunidade escolar, com o envolvimento dos pais, ganha facilidades de acesso on-line para matrículas, além de acompanhar de perto a evolução do seu filho com acesso à boletins com notas, frequência e quadro de avisos.

Com a oferta de links com maior capacidade e menor custo para as escolas, a tendência é apenas aumentar o uso de serviços em nuvem para o ano de 2020. Na figura abaixo, observa-se a melhora ano a ano da banda de Internet para as escolas no Brasil.

Os administradores de TI das escolas devem garantir que suas redes sejam otimizadas e capazes de acolher demandas crescentes dos usuários, impulsionadas por mais dispositivos conectados e novos sistemas. Simultaneamente, eles devem tomar medidas para preservar a segurança da rede sem comprometer o uso da tecnologia na educação. E eles devem fazer tudo da maneira mais eficiente possível.

Veja neste post algumas estratégias que os administradores de TI podem adotar para tornar suas redes rápidas e seguras.

Conte com serviços gerenciados de TI

Conte com um Managed Services Provider (MSP) que pode atender inúmeras tarefas operacionais críticas para a operação da sua rede.

O MSP será o braço direito da área de TI da escola, e será importante selecionar um parceiro de qualidade e capacitado com as principais tecnologias utilizadas pela gestão escolar.

Vale ressaltar que, ao contratar um MSP, você como administrador de TI não renuncia ao controle e à responsabilidade gerencial pelas operações terceirizadas. Além disso, você escolhe exatamente quais serviços necessitam de suporte gerenciado e proativo, aumentando o nível de satisfação dos alunos, professores, gestores escolares e pais.

Os MSPs poderão beneficiar a sua TI com a redução de custo operacional, maior capacidade de atendimento, além de disponibilizarem soluções em nuvem profissionais e atualizadas.

Analise o desempenho da rede

Encontrar a causa raiz de problemas de performance inesperados pode se tornar uma tarefa bem difícil.

Identificar os gargalos da rede e quais dispositivos, aplicativos ou componentes da sua rede que estejam afetando o desempenho requer uma topologia de rede documentada e monitorada. Para tornar a tarefa mais complexa, em alguns momentos será necessário responder se a queda de performance está na rede local ou no acesso de sistemas hospedados em nuvem, como no ERP ou nas plataformas de EaD (Ensino à Distância), no Google Classroom ou no Office 365 Education, por exemplo.

Confie em alertas

Implemente sistemas de monitoramento e geração de alertas para os dispositivos e sistemas conectados na sua rede para observar a segurança e qualidade da sua rede.

O monitoramento da rede poderá abranger desde os componentes mais críticos da sua rede escolar, como switches e roteadores, além de dispositivos de missão crítica como servidores, computadores e até mesmo os sistemas de controle de acesso dos alunos.

O monitoramento deve atingir também a camada dos serviços e aplicações disponíveis medindo a sua disponibilidade e performance para o usuário final.

Além dos alertas, a prática do monitoramento de rede centraliza os dados coletados, transformando estes dados em gráficos simples e objetivos para que o administrador e o MSP possam acompanhar o desempenho da aplicação.

Segurança dos dados

Resguardar as informações mais sensíveis com cópias de segurança é a primeira tarefa de um administrador de redes para manter o ambiente escolar disponível e seguro.

Por diferentes formas e severidade de risco para a perda de dados, a sua rede pode ser afetada por algum ataque de ransomware, queima de servidor, perda de dados por imperícia de algum funcionário, desastres no ambiente provocada por descarga elétrica, enchentes e outros, além de roubo de equipamentos.

Imagine as seguintes situações: pane nos servidores da escola, ataque hacker e exclusão acidental, por algum dos funcionários, de documentos-chave para o funcionamento da escola. Agora, considerando a realidade atual da sua escola, faça o seguinte questionamento: ela estaria devidamente preparada para lidar com esses cenários de risco?

No planejamento da sua TI, a segurança da informação é uma preocupação central para aumentar a eficiência e minimizar riscos. Com esse objetivo, a política de backup é um documento elaborado para guiar a TI em todas as decisões relativas ao armazenamento de dados, garantindo que cópias de segurança estejam disponíveis sempre que preciso.

Junto com o seu MSP, você poderá definir na sua política de backup:

  • Quais os dados a serem armazenados?
  • Qual a tecnologia de backup que será utilizada?
  • Qual a frequência com que o processo será executado? Será necessário mais de um ponto de recuperação por dia?
  • A capacidade de armazenamento escolhido para backup, que deve levar em conta o volume de dados gerados por cada operação. Qual é a disponibilidade de armazenamento em mídia local e em nuvem?
  • Definição da melhor estratégia de backup a ser aplicada (diferencial, completo ou incremental)?
  • Definição dos responsáveis por acompanhar se a política está sendo realmente colocada em prática. Monitoramento 24 X 7 e geração de alertas em caso de falhas.

Faça um inventário junto com as pessoas chave da gestão escolar e revise as normas para certificar quais arquivos do acervo escolar são importantes para armazenar e apontar na política de backup, com período de retenção em muitos casos de forma permanente.

Por exemplo, alguns arquivos requerem atenção especial da TI:

  • Normas, regulamento e estatutos;
  • Projetos pedagógicos dos cursos;
  • Matriz curricular;
  • Calendário acadêmico;
  • Matrículas, notas, transferências etc.;
  • Inventário de bens;
  • Dados do sistema administrativo (ERP) e banco de dados.

Plano de Capacidade

Um relatório recente do The Consortium for School Networking (CoSN) indica que, nos próximos anos, 38% dos estudantes usarão, em média, dois dispositivos em sala de aula. Esses dispositivos, combinados com as ferramentas que os professores estão usando, podem demandar muito a largura de banda da sua rede.

Imagens com maior capacidade, vídeos tutoriais, novas aplicações hospedadas na rede local e na nuvem, a Internet das Coisas (IoT) no ambiente escolar exigirão cada vez mais uma rede bem gerenciada e segura. A rede deve estar preparada para atender picos de utilização, como eventos e webinars simultâneos.

Inclua no planejamento da sua TI uma revisão periódica do Plano de Capacidade, que pode ser atualizada semestralmente. Os administradores de TI das escolas podem focar o seu tempo nas novas estratégias e uso de tecnologias, e contar com a operação e gerência da rede com serviços profissionais de MSPs.

Referências

[1] Pesquisa sobre o uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas escolas brasileiras – TIC Educação 2018, publicação MIC.BR/CETIC.BR,  URL https://www.cetic.br/publicacao/pesquisa-sobre-o-uso-das-tecnologias-de-informacao-e-comunicacao-nas-escolas-brasileiras-tic-educacao-2018/

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *